Páginas

domingo, 18 de abril de 2010

ABRAÃO A QUEM DEUS ANUNCIOU O EVANGELHO

Textos: Gen. 12.1...; Gal 3.19.
Introdução
Tudo o que sabemos sobre o Evangelho e o seu significado, encontramos de forma explicita na Bíblia, a Palavra de Deus. Mas, numa visão, ou melhor, num contexto mais abrangente desde os primórdios vemos que o evangelho teve a princípio o seu fundamento antes mesmo que fosse pregado entre os apóstolos e com o próprio Cristo o Filho de Deus.

I-DEUS DÁ A ORIGEM AO EVANGELHO
Gen. 3.15...”E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar...”. Neste texto, vemos a origem do evangelho que por sua vez foi o ápice de Deus em resolver o problema do homem caído, ou seja, quando este estava desprovido de qualquer escape – Rom 3.23.
O sentido da essência do evangelho, não está no que atualmente se ver por ai, ou seja, onde alguns se dizendo que estão pregando o evangelho, e com isto se aproveitando da situação para cometerem fatos que não existem. Podemos dizer que, o evangelho só tem sentido de acordo com os conceitos de Cristo, se houver a “Cruz”. Se não há cruz, não existe anunciação, ou seja, não existe a pregação verdadeira do sentido evangelho, pelo contrário, alguns estão se omitindo quanto as verdades da Bíblia. Hoje alguns estão pregando seus conceitos mentirosos, suas doutrinas legalistas cheias de imperialismos, menos o Evangelho de Deus.

II-O EVANGELHO QUE DEUS NÃO PREGOU
Na verdade, Deus pregou o verdadeiro evangelho visando a salvação do homem, ou melhor, sempre houve da parte do Senhor o interesse pelo homem perdido – Luc. 10.19. E não como vemos alguns se dizendo que são pregadores do evangelho, mas na verdade estão mais interessados em fazerem fortunas do que expor as verdades de Deus ao homem – At. 17-30-31. Em consonância com Deus, o próprio Filho (Cristo) também seguiu os passos do Pai (Deus), e Ele Ordenou-nos que fizéssemos o mesmo – Marc. 16.15-16-17.
Podemos afirmar com toda certeza que a pregação do Evangelho, se resume nos fundamentos de Cristo, na consciência de Deus em livrar os homens da perdição, ou seja, de seus pecado terríveis. Enquanto que, alguns estão falando em nome do evangelho, o que é muito diferente em pregar “O Evangelho”. Ou seja, quando se fala em nome do evangelho, é o que estamos vendo, em primeira instância há inúmeros interesses humanos, enquanto que, quando e quem prega o Evangelho está comprometido com as verdades de Deus. Ou melhor, cumprindo as ordenanças de Cristo, pois isto é o que faz a diferença entre aqueles que estão comprometidos com a Palavra do Senhor.

Deus idealizou uma salvação que teve seu início nos anais da eternidade, pois Ele viu a situação do homem, e, prontamente resolveu salvá-lo. Ora, o texto supracitado acima é o suficiente para que você tenha a idéia do que é o evangelho. Portanto, no Livro de Êxodo, que por sua vez significa “Saída”, lá encontramos fatos que lembram a “Obra da Redenção”, ou seja, Deus vindo ao encontro do homem para livrá-lo das mãos de Faraó – Êx.3.1-12.
Então, fica claro que a intenção de Deus sempre foi resgatar o homem das mãos de seu opressor. Então, essa estória que alguns estão pregando, ou seja, com o engodo da Teologia da Prosperidade não passa de uma falácia. Portanto, suas pregações nada tem de verdades espirituais, e sim, mentiras daquilo que Deus nunca permitiu-os que eles pregassem. A verdadeira mensagem do Evangelho tem seu fundamento em Cristo, e em seus apóstolos, pois Paulo foi incisivo quando disse: “Porque ninguém pode pôr outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo” – I Co 3.11-12.

III-A BENÇÃO DO EVANGELHO SE ESTENDE DESDE ABRAÃO
“Farte-te-ei uma grande nação, e abençoar-te–ei, e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma benção. E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoares;em ti serão benditas todas as famílias da terra...” – Gen 12.2-3.
Aqui estão escritos por divina revelação o que Deus pode fazer por aqueles que estão debaixo de suas promessas. Ou seja, não é preciso se criar ou formular pensamentos filosóficos para que seja entendido de como Deus foi misericordioso para com aqueles que crêem em sua Palavra. Todavia, Abraão creu, ou melhor, foi capaz de externar o seu sentimento a Deus que o criou e lhe deu o direito dele escolher “entre o crer ou não em sua Pessoa”. Ou seja, a Fé falou mais alto no coração do patriarca Abraão, portanto, ele foi capaz de crer naquilo que não viu e isto foi o suficiente para que Deus honrasse a sua fé. Conquanto que, se tornou o pai de uma grande multidão, porque creu no invisível e por esperança enxergou a sua concretude – Jo 3.16; Rom 5.8; Deus fez promessa de benção a Abraão, porque teve de sua parte o amou que se externou naquele que seria o primeiro crente a crer e anunciar o evangelho que veio por divina revelação aos homens. Portanto, é dessa forma que conhecemos Abraão como o primeiro crente na fé, e dele se estendeu a benção de sua promessa. Então, todos os povos e tribos, recebemos por herança em Cristo a benção de Abraão – Gal 4.4-5.
Não existe em nenhum lugar nas escrituras que o crente só tem a benção de Deus se for rico, ou milionário, se assim não for, estar debaixo de maldição. Se assim fosse, então Deus revogaria a sua Palavra. Claro que não, pois a benção da promessa que fez a Abraão se estende a todos os povos, ou seja, como Ele retrocederia a sua Palavra?
“Bendito o Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo” – Ef. 1.3.

Que Evangelho seria esse, ou melhor, que promessa seria essa que a uns seria benção, e a outras maldições? Não, as promessas de Deus a Abraão se estendem a cada um que crer na obra retentiva de Cristo, por esta razão todos aqueles que crerem e obedecem a sua Palavra terão a sua benção, ou seja, da salvação, alegria, saúde, felicidade, vida eterna após a morte com Cristo, e podem também possuir bens matérias. Ressaltamos que, somos privilegiados por Cristo, pois foi por intermédio Dele que conquistamos tudo, por isto é que Ele morreu no Cruz, e ao terceiro dia ressuscitou dentre os morte para dizer que Nele e por Ele somos mais do que vencedores – Ap 1.16-18; I Co 15.57-58.

Portanto, fique debaixo das promessas de Deus que são irrevogáveis a àqueles que as receberam por herança – II Pe 1.4, e siga olhando para frente como não enxergando, mas por fé vendo tudo o que Deus prometeu. Assim se comportou o Crente Abraão, foi em busca daquilo que por Palavra de Deus ouviu e creu na promessa... Aleluia!!!

É proibida a reprodução desses escritos sem a devida autorização do autor, salvo pequenos trechos, e com a citação da fonte – Direitos autorais Lei 9.610/98 (Art. 184 do Código Penal).

2 comentários:

  1. Até gostei do artigo, só acho que vc entra em contradição com o que escreveu, ao colocar uma nota no final, proibindo a reprodução do artigo, com citação, inclusive de leis e artigos do código penal.
    Você acha?

    ResponderExcluir
  2. UM LIXO NÃO GOSTEI! MAS VC É LIVRE PRA PENSAR

    ResponderExcluir