Páginas

quinta-feira, 12 de abril de 2012

ERROS QUE SE COMETEM NOS PÚLPITOS DAS IGREJAS


Introdução 
           Parece que não, mas no dia a dia nos deparamos com fatos que nos deixam estarrecidos, ou melhor, quando há alguns pregadores cometendo as mais absurdas gafes em cima de nossos púlpitos sem que vejam as consequências.
           Em primeiro lugar é a falta de preparo, ou do domínio de saber expor um sermão. Algo que não é fácil, mas isto se adquire com a prática, ou melhor, um sermão não se prega sem antes tomar o conhecimento do mesmo. Onde ministro aulas de Teologia, e em especial a matéria de “Homílética” procuramos passar aos alunos aquilo que realmente é prático.
         Mas, talvez paire a dúvida em muitos pregadores, ou seja, quando perguntam a si, como e quando estou indo bem num sermão? É claro que, há muitos tipos de pregadores e ensinadores, porém, cada um tem o seu estilo de pregar. Outros não atentam para tais conceitos, ou melhor, de averiguarem se realmente estão sendo ouvidos no momento da preleção. Teço aqui um comentário que talvez não vá agradar a alguns, ou melhor, é a forma de como eles se portam em cima dos púlpitos de suas Igrejas. Ou seja, cada pregador deve saber que a pregação começa no momento em que estamos na Igreja, (Templo) adorando a Deus no culto. Partindo desse pressuposto, vamos analisar alguns pontos que vejo que sejam razoáveis no que tange a questão: 

1-SE ERRA, quando improvisamos o improvisável, ou melhor, pregar ou ensinar é algo de grande excelência, portanto, não devemos improvisar o que jamais Deus irá aprovar. Ou seja, a Palavra de Deus é Infalível, e Espiritual, portanto, improvisá-la é deixá-la para o segundo plano. Infelizmente, existem alguns pregadores que não leem a Bíblia, nem oram quando vão usá-la, então, o resultado se ver nos púlpitos, mensagens sem vida, graça e esperança para aqueles que vão ao templo para ouvir a voz de Deus e serem edificados. A ideia de que Deus recebe tudo ainda existe na mente de muitos cristãos desprovidos de conhecimentos Bíblicos.

      2-SE ERRA, quando citamos muitos versículos, ou seja, até podemos citá-los, mas citar versículos sem a contextualização da mensagem é como tapar o sol com a peneira. Conheço alguns pregadores que citam muitos versículos, é bom e mostra certo domínio de memória, mas não é o suficiente numa pregação. Pois, numa pregação devemos saber que não podemos expor uma verdade Bíblica Teológica se não houver o aparato de sua fundamentação. Ou seja, a “Exegese” é a fundamentação para que se chegue num senso de compatibilidade daquilo que expressamos, ou melhor, tudo deve caminhar para uma coesão.
          Devemos saber que a preleção Bíblica é como fazer uma redação, ou melhor, você tem o texto (a Bíblia) e o tema. Destarte, tudo deve girar num mesmo sentido, ou seja, não podemos misturar as coisas e os fatos, sendo que a mensagem deve ter um único sentido, trazer a edificação daqueles que nos ouvem.

          3-SE ERRA, quando somos tentados a dizer o que Deus nunca nos autorizou que disséssemos. Tem muitos pregadores dizendo o que Deus nunca lhes permitiu, ou melhor, alguns se acham os profetas da vez e começam a fazer algo que só trará prejuízo a Igreja e ao seu pastor. O bom é ficarmos na direção de Deus, e tão somente deixar que Ele nos use, mas fazer o que não existe na Bíblia é no mínimo suspeito tais comportamentos. Não seremos mais ouvidos se usarmos dessas formas, mas quando as pessoas percebem que Deus está nos usando para sua Glória.

           4-SE ERRA, quando substituímos a Bíblia. Ou melhor, parece que não, mas a Bíblia já deixou de fazer parte da vida da Igreja. Pois com esses movimentos religiosos e cheios de heresias, a Bíblia deixou de ter seu lugar, e se não tem lugar é claro que quem vai falar é o homem, e não Deus. O caso é extremamente grave, pois nas Igrejas mais tradicionais que deveriam dá o exemplo já entraram por tais caminhos. Portanto as provas são incontestáveis, ou seja, crentes que só gostam de movimentos religiosos, pois são aqueles que querem ouvir o homem e não a Deus. E na verdade o que se ver são cristãos neófitos, e totalmente desprovidos das verdades absolutas do evangelho de Cristo.

           5-SE ERRA, quando se omite a mensagem Bíblica, parece que não, mas tudo o que contrario a Deus é pecado, inclusive o da omissão. Ou seja, deixar de fazer o que deveria e não o faz também se comete a omissão. O que queremos dizer com isso, é a negligência de muitos pregadores que deixam de pregar a mensagem de Cristo, e com tal postura omitem aquilo que Deus determinou em sua Palavra (Jr 23.23-24). Não pregamos e nem ensinamos porque ou pensamos que somos meros profissionais de púlpitos, embora que, alguns pensam assim. Mas, sejamos conscientes de que Deus nos chamou para que as suas verdades alcancem os corações aflitos e sedentes de Paz e segurança.

          6-SE ERRA, quando numa pregação pensamos que aquilo que falamos é propriedade nossa, mas não é assim, tudo o que fazemos e somos pertence somente a Deus, é tanto que, o Salmista disse no (Salmo 103.1-3) “Tudo o que há em mim bendizem ao seu santo Nome”... Há um estrelismo muito grande por parte de alguns pregadores, pois os tais se acham importantes, ou melhor, pensam que eles são os melhores ou que Deus só usa-os. Não, jamais isto deve perdurar na vida de um homem chamado pelo Senhor, ou melhor, devemos reconhecer e saber que tudo o que somos pertence a Deus, e que simplesmente somos vasos de barro nas “Mãos do Oleiro – Deus é Esse Oleiro”.

         7-SE ERRA, quando nos portamos de forma deselegante, todavia, há faltas de posturas por parte de alguns pregadores. Pois os tais não sabem nada de ética, ou de etiqueta, todavia, aquilo que a princípio deve ser transparente se torna uma coisa sem lógica. Ou seja, a postura do pregador num púlpito é de grande importância para o contexto social da Igreja, ou melhor, a postura é como um cartão de visita. Todavia, as vezes observamos alguns se portarem de forma totalmente fora daquilo que deve ser, ou que seja de forma que o nome de Cristo venha ser glorificado. Você não deve pensar que as pessoas não veem tais comportamentos, porém, há sim, olhos atentos a tudo o que fazemos ou nos apresentamos dentro do templo.

        8-SE ERRA, quando há aquele ar de grandeza por parte de alguns, ou melhor, existem pregadores e líderes que eles se embriagam com o poder. Ou melhor, quando estão nos bastidores da vida tudo é normal, ou seja, considera todo mundo, tudo é natural do ponto de vista social. Mas, quando assumem o púlpito de suas Igrejas se muda de figura, ou melhor, a ponto de os membros ficarem até mesmo estarrecidos com a compostura de seus líderes e pregadores. Todavia, os tais esquecem que O Grande, O Perfeito, O Maior é Somente Deus, e que nós os humanos não passamos de servos. Mas, infelizmente esse é o estigma que se encontra na vida de muitos pregadores da atualidade. Se orgulham porque são pastores, evangelistas, ensinadores, etc. Ou melhor, se apegam mais a suas posições do que em servi a Igreja de Deus com simplicidade que há em Cristo e com isto acham os tais que estão agradando ao Senhor.

           9-SE ACERTA, quando reconhecemos que diante de Deus somos apenas pó e cinza, e que nossa vida depende somente da Grandiosa Graça de Cristo. E que todos nós que somos vasos de “Barro” devemos cair nas mãos do Oleiro (Deus) para que Ele pegue-nos e refaça-nos de novo um vaso para a sua Glória. Ora, por mais que saibamos ou dominamos fatos na vida, mesmo assim, a Grandeza e a Glória pertencem somente a Cristo, ou será que não somos inteligentes para sabermos discernir isto? Ou melhor, todo “aquele que pensa ser alguma coisa e não sendo nada, engana-se a si mesmo”, disse o mestre Paulo. Uma coisa aprendi na vida é que, não somos nada, quando achamos ou pensamos que somos, mas somos tudo quando não achamos e nem pensamos que somos, então diante disso é Cristo quem aparece na nossa vida e assim O Glorificaremos... Pregadores e pastores, nunca pensem que suas pregações ou ensinos são os únicos, pois se pensas tais coisas é porque há orgulhos e soberbas de forma intrínseca nos vossos corações. Tão somente glorifiquemos a Cristo pela Grandeza de sua Palavra, e que por meio dela sejamos íntegros no ministério que recebemos de sua parte – II Tim 2.15. Jr 23.23-24; Jos 1.8-9.

É proibida a reprodução desses escritos sem a devida autorização do autor, salvo pequenos trechos, e com a citação da fonte – Direitos autorais Lei 9.610/98 (Art. 184 do Código Penal).


3 comentários:

  1. Ensino, prego e testemunho o Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo há mais de quatro décadas. Cabe a mim falar de acordo com os oráculos de Deus. A Bíblia é a base da pregação e Jesus deve ser exaltado. Os dons do Espírito Santo são para edificar a igreja de Deus e não para se exibir publicamente. Pelos frutos se conhece a árvore; portanto, falemos pelo Espírito Santo para que as ovelhas sigam o Pastor Jesus, crendo nas promessas do nosso Pai eterno e glorificando o poder de Suas mensagens (1 Co 1.18; 2 Tm 1.13; 1 Pe 4.11; 2 Pe 1.21; Tt 2.1 e 2 Pe 3.18).

    ResponderExcluir
  2. Estudo edificante,eu como um jovem pregador aprendi muito.
    Deus abençoe sua vida e cada dia mais e mais você seja um instrumento nas mãos do nosso Deus.
    A Paz do Senhor

    ResponderExcluir
  3. descobriu a américa

    ResponderExcluir